Páginas

VIDA DE ADULTO — A DESCOBERTA TARDIA DO AUTISMO




Imagem: Google

Você sempre foi tratado como uma pessoa comum. Frequentou a escola sem grandes problemas. Teve uma vida normal em família. Fez algumas poucas amizades ao longo do tempo. Cresceu e se tornou independente, como qualquer pessoa jovem adulta. Mas ninguém imaginava que a essa altura da vida seria surpreendido por uma grande descoberta: você é autista.

Uma história muito parecida com essa que acabamos de contar aconteceu com o francês Guillaume Paumier. Em 2013, aos 31 anos, Guillaume recebeu o diagnóstico de autismo. Mas por que tão tarde? “Após algumas dificuldades no trabalho meu parceiro decidiu compartilhar a sua suspeita sobre eu estar no espectro autista. Eu sabia pouco sobre isso na época, mas era uma hipótese que explicava muitas coisas, e parecia que valia a pena explorá-la”, conta o jovem em seu blog.

Após alguns testes veio o resultado. A partir daí, Guillaume passou a ver muito mais sentido em aspectos da sua vida que ele até então não compreendia muito bem. E sentiu necessidade de compartilhar isso com as pessoas, não apenas pela descoberta tardia da condição, mas para demonstrar como cada pessoa pertencente ao espectro é única em suas características. O relato de Guillaume foi traduzido para o português e pode ser lido na íntegra em seu blog. Abaixo reproduzimos e destacamos em negrito os trechos que mais nos chamaram a atenção.


Google Imagem

MINHA VIDA COMO AUTISTA E WIKIPEDISTA

“[…] meus pais contam que, embora eu não entusiasmasse com a ideia de ir à escola dura


“[…] meus pais contam que, embora eu não entusiasmasse com a ideia de ir à escola durante a semana, eu sempre pedia para ir aos sábados, porque a maioria das crianças não estava lá. Não é que não gostasse delas, mas a escola ficava muito mais silenciosa do que durante a semana, e eu tinha todos os brinquedos só para mim, eu não precisava interagir com as outras crianças, dividir os lápis, nem a sala. Eu podia fazer qualquer coisa sem ter que me preocupar com as outras crianças. Naquele momento eu ainda não sabia, mas quase 30 anos se passariam até que eu olhasse para trás e pudesse entender que tudo fazia sentido.


Agora eu tenho 32 anos, e muitas coisas mudaram. Há dois anos, após algumas dificuldades no trabalho, meu parceiro decidiu compartilhar a sua suspeita sobre eu estar no espectro autista. Eu sabia pouco sobre isso na época, mas era uma hipótese que explicava muitas coisas, e parecia que valia a pena explorá-la.


Sim, essa questão havia sido levantada algumas vezes antes, mas sempre em tom de piada, exagerando o meu tipo de comportamento. Eu nunca achei que aquela etiqueta pudesse ser aplicada no meu caso. Um dos problemas é que o autismo é apresentado de uma maneira muito uniforme na cultura popular. Filmes como Rain Man mostram autistas com síndrome de savant que, apesar de terem habilidades extraordinárias, vivem em um mundo completamente diferente, e algumas vezes não falam. O espectro autista é muito mais diverso do que esse tipo de exemplos estereotipados.


Após ter começado a pesquisar sobre o assunto, e a ler livros sobre autismo e biografias escritas por pessoas autistas, eu percebi o quanto encaixava comigo.

Demorou um pouco para que eu obtivesse uma confirmação de especialistas. Mas, após alguns testes, quando eu a recebi, muitas pessoas ainda tinham as suas dúvidas. A questão que surgiu repetidamente foi “Mas como é possível que não tenha sido detectado antes?” Geralmente o autismo é identificado em idades mais jovens, mas parecia que durante quase toda a minha vida eu havia conseguido me disfarçar de “neurotípico”, ou seja, de alguém que possui um cérebro cujo funcionamento é similar ao da maioria das pessoas.

[…]

Uma boa analogia para entender o que significa ser autista em um mundo de neurotípicos, é olhar para o Sr. Spock, da série original Star Trek; filho de um pai Vulcano e uma mãe humana, tecnicamente o Spock é meio humano, porém o seu lado Vulcano é o que mais se destaca quando ele interage com o resto da tripulação da Enterprise. […] Como Vulcano, a vida do Spock é regida pela lógica. Embora ele sinta emoções, elas são profundamente reprimidas. O padrão do seu discurso é desapegado, quase clínico.Devido à sua perspectiva lógica e utilitarista, frequentemente o Spock parece indiferente, sem coração, ou rude com os seus companheiros tripulantes.

As características do Spock se parecem às do autismo de muitas maneiras […] o filtro de percepção do Spock o impede de entender as decisões humanas baseadas em emoções. Essas ações lhe parecem tolas ou insensatas, porque o Spock as interpreta através da sua lente lógica. Faltam-lhe base cultural, normas sociais e premissas não ditas compartilhadas inconscientemente pelos humanos.

[…]

Pessoas autistas são caracterizadas por muitos traços diferentes, mas o mais presente é a cegueira social: nós temos dificuldade em ler as emoções das outras pessoas. […] Frequentemente entendemos as coisas literalmente porque não contamos com o texto subliminar: para nós é difícil ler as entrelinhas.

[…]

Acho que o Spock só foi capaz de construir relações ao longo do tempo porque as pessoas eram conscientes da sua diferença, e aprenderam a entendê-la e a abraçá-la. O Spock também aprendeu muito com os humanos ao longo do caminho.”


Fonte de pesquisa: www.tismoo.com.br

EU ACEITO O TEU NÃO

Google Imagem 







Perguntei-te de forma inocente


Se a Solidão te completavas.
Tu, com toda singeleza
Respondestes que "Sim"
Então...

Eu aceito o teu Não.

Vez que diz
Ser a Solidão
tua melhor companhia.

Eu aceito o teu Não,

Vez que diz
Ser Feliz,
Mesmo mergulhado nessa devassidão.

 Eu aceito o teu Não

Vez que diz ser amante
de todas as mulheres..

"Feias ou Belas"
"Gordas ou Magras"
"Solteiras ou comprometidas"
"Domésticas ou Intelectuais"

Um homem de muitos amores,
Mas que não AMA ninguém.

Eu aceito o teu Não.

Já que aceitas ser solitário, recluso e esquivo
Sem deixar de ser
Escoteiro, aventureiro, meio errático e galante

Afinal, você se constrói,
Nessa cabana Solitária
Chamada de "EU".

E TU, preenchido por tuas fantasias
Sozinho te basta,
Sozinho se achas,
Sozinho se faz.

Não tem como não respeitar tua escolha.

Se não posso escrever meu romance,
Transformar- te -ei em Poesia,

Pois...

Eu aceito o teu Não,
Mas, meu coração Não.

Charlene Magalhães. 05/12/2016



CRISE DOS 40 NOS HOMENS- IDADE DO LOBO

     
Google Imagem

   Segundo um estudo realizado por Eliseu Mardegan Junior,  a idade do lobo  se refere à crise da meia idade no qual todo homem passa; alguns sentem um forte impacto enquanto outros quase não sentem nada.

     A crise faz o homem repensar na vida. Se ele tinha certos princípios até então, nesta nova fase revisará a todos. 



      Qual é a idade para o homem passar pela crise do Lobo?

    Aos 40 talvez; de não se sabe, porém, esta idade é tida apenas como base, embora a cada dia aconteça mais cedo (entre os 35 a 50 anos).



     Como o homem se sente?      

     Na crise ele se dá conta de que viveu sua vida não conforme quis, mas seguindo os passos da sociedade.

     Para alguns homens se torna um problema quando percebe que se privou de viver naturalmente feliz.

     Ao desvalorizar suas experiências passadas, o homem começa um processo de fazer tudo o que não fez. É nesse momento que ele entende que a felicidade não se reduz apenas na conquista de bens materiais, mas sim na realização de seus sonhos.



     O que pode contribuir para o surgimento da crise?
      
   Algumas situações podem favorecer a entrada nesta crise como: um problema profissional, filhos casando, problemas no relacionamento, tornar-se avô, a ameaça do declínio sexual, mudança na aparência física, problemas de saúde, falecimento de um ente querido ou até mesmo diante de um fato insignificante.

      

     O que ele faz?

  1. No início o homem é resistente em assumir que está passando por uma crise, depois, os questionamentos vão aumentando até que ele pressiona a si mesmo para encontrar soluções rápidas.

    O lobo acredita que não tem muito tempo e que poderá morrer a qualquer momento; com isso, procurará fazer tudo o que não fez - mas que gostaria de ter feito. 

     As atitudes do homem em crise se resume em encontrar sentido para sua vida.

     

     O homem se questiona se fez a escolha correta do casamento e da profissão.

    Mesmo que tenha apenas pequenos problemas começa a valorizá-los como se fossem grandes, há quem põe fim ao relacionamento de anos ou muda de profissão.
      
  O lobo pode querer voltar ao passado, e expressará isto por meio de alguns comportamentos que estão relacionados a períodos da juventude:

  • Frequentar lugares que não costuma ir;
  • Beber com exagero;
  • Viver aventuras;
  • Vestir-se com roupa de garotão;
  • Mostrar interesse por esporte que antes não tinha;
  • Namorar garotas mais jovens... 

    Em relação ao trabalho ele reconhece que é extremamente importante para sua vida, embora não queira mais ficar gastando a maior parte do tempo com a prática, e o fato de ter que fazer por precisão o angustia, porque gostaria de fazer outras coisas ao invés disto. 

     Ele sente medo, mas solitário não tem para quem expor seus sentimentos.

    O homem lobo magoa a  si e aos outros,  pois muitas  vezes pode agir  com egoísmo por costumamente  pensar em suas vontades e necessidades desconsiderando o resultado das suas atitudes para com os outros.
      
    Se inicialmente ao entrar na fase do lobo ele comprou um carro esporte e procurou se relacionar com garotas mais novas, aos poucos começa a se conscientizar da situação.

     O lobo com o tempo passa a perceber que estar ao lado de uma mulher mais jovem não é tão prazeroso quanto pensava (salvo as exceções onde ocorre o amor).

     O homem observa que seu objetivo é diferente da mulher mais nova, também passa a perceber que as pessoas observam a diferença de idade quando chega aos lugares, outras atitudes que também adquiriu tornam-se sem sentido. A ter contato mais presente com a inadequação o lobo sente-se envergonhado.


   

     A ação do lobo junto a família

    O homem tem dificuldade de entender o que está se passando com ele, desta forma, culpa os outros; seus filhos e a esposa são os alvos principais.


      Os filhos
     
   Vamos partir do princípio que se o lobo não está satisfeito com o que conseguiu fazer em sua vida até o momento na crise tentará realizar-se.

     Ele poderá ficar chateado porque o filho está tendo as oportunidades que ele não teve.

    Existem papais lobos que tentam competir com seus  filhos ou  tentam realizar  o que não conseguiram através deles.

    Alguns papais frustram as iniciativas dos filhos, decidindo o que eles deveriam realizar, que geralmente é aquilo que gostaria de ter feito na juventude e não conseguiu. 

    Outro  fator  que  angustia  o  lobo é quando percebe que o filho está indo em direção a cometer os mesmos erros que ele cometeu, mas o jovem não quer escutá-lo. 

    O homem nesta crise tem tantas dúvidas sobre o modelo que até o momento seguiu e por julgá-lo inadequado não quer mais fazer o que sempre fez, mas também não sabe o que fazer.


     A esposa
     
    O lobo se sente pouco valorizado pela esposa, acha que  ela não reconhece o  sacrifício que fez. Por sua vez, a esposa não aceita ser responsabilizada por tudo que ocorre com ele, e então o conflito se instala.

    O esposo lobo muitas vezes não está pronto para ouvir as críticas da esposa  devido estar sensível a qualquer opinião negativa a seu respeito.

     O desentendimento com a esposa e com os filhos não vai levá-lo a encontrar o caminho que procura.

     A relação familiar conflituosa representa a forma que o homem lobo está consigo mesmo.


      
    A separação do lobo no auge da crise

    A separação em alguns casos surge como único meio de solucionar o problema do conflito do lobo junto com sua esposa.

    Quando ele se separa pode se envolver com várias pessoas.

   Há quem se casa durante o tumulto da crise, achando que tudo será diferente, que terá compreensão, reconhecimento. Porém, na hora em que as coisas acalmam poderá perceber que não era aquilo que gostaria de ter feito.

    O lobo poderá se arrepender de ter se separado, se prenderá a ideia de que poderia ter ficado mais ao lado dos filhos e ter cumprido o juramento que fez diante do altar “até que a morte os separe”.

    Por mais difícil que a comunicação seja durante a crise, o diálogo entre o casal deverá prevalecer.

  Sempre é possível recomeçar dentro de uma  mesma relação inúmeras vezes, desde que haja amor, companheirismo e cuidado mútuo.


   
     Saindo da crise

    A família poderá ajudar o homem lobo, uma das medidas é procurar fazê-lo entender que está passando por uma fase.

     O homem por outro lado se tentar explicar para a mulher o que está sentindo fará com que ela talvez entenda o seu modo de agir, e com certeza as brigas diminuirão.

    Às vezes o que falta para um casal é a compressão e o diálogo para que possa ocorrer o fortalecimento da relação.

     Para um casal é importante que seja dividida as alegrias, as tristezas e os sentimentos. Se cada um reconhecer seus próprios erros, agir com honestidade e incluir o outro em seus objetivos pessoais não há crise que os faça separar.
      
    O homem deve procurar valorizar tudo o que passou, inclusive ao lado da família, as experiências que teve, momentos de alegria e o companheirismo. E mesmo que venha o desejo de viver tudo o que não viveu, estará mais consciente para discernir o momento em que está vivendo.
   
    Cabe ao lobo desapegar-se aos sonhos que não foram possíveis de serem realizados e jamais ficar com raiva disso, porque a vida possui realmente certos limites (sua autoestima também dependerá disto).

     A chegada da crise é importante para que o homem se prepare para o futuro.

     O lobo começa a se resolver quando para de perder tempo em função de fazer o que até então não fez, e passa a compreender que existem coisas que jamais realizará.

     A crise é uma boa ocasião para o homem se esforçar novamente, deixar ir suas ilusões para trás, se tornar mais amigo dos filhos e parar de querer viver neles aquilo que não conseguiu. 

     O homem pode implantar no cotidiano mudanças que promovam a qualidade de vida, e procurar incluir a família nisso, respeitando ao mesmo tempo a individualidade de cada um.
      
     Caso o homem decida mudar ouvindo apenas a emoção correrá o risco de fazer algo que poderá se arrepender um dia.

     Mas quando o lobo muda de forma consciente, planejada, com conhecimento no que verdadeiramente é e ainda com base em experiências passadas - jamais se arrependerá.

   Esta crise serve para o homem que agora está mais livre das imposições da sociedade, reorganize suas prioridades e crie um sonho mais real e atingível.

     Se o  homem  souber  aproveitar o momento do lobo,  agora com mais maturidade e experiência agirá diante de um novo modelo de vida pautado em si mesmo, e sairá desta crise da meia idade mais fortalecido e com autoestima.

Fases do lobo:

       Negação – O homem se desconsidera por acreditar que não conseguiu realizar o que esperava ou não tornou-se aquilo que desejava, em virtude disto, começa tentar conquistar seus desejos. Faz questionamentos mas evita respondê-los. 
      
         Revolta – Ele afirma para si mesmo que ainda é capaz de conseguir fazer tudo o que quiser.  Em vez de tentar encontrar suas respostas, tentará realizar o que ainda não vivenciou.
      
         Aceitação – Neste momento ele aceita a realidade, e para de correr tanto atrás do que não fez. Reconstrói seus objetivos em cima do que realmente precisa, encontra suas repostas e se torna mais consciente da vida.

        A crise do lobo é uma fase maravilhosa e necessária,  pois é quando o homem percebe que pode chorar e expressar seus sentimentos. 
      

       
        "O importante na vida não é ter tudo que se quer, mas amar quem você é."
           Maria Cristina Santo

Site: www.psicorientacao.com